» Ego Bufas Danadas

490 – Reveião.

12 comentários

  1. João Thiago

     /  12/31/2012

    Às vezes a gente passa por anos assim, e quando a gente transforma nosso prazer em obrigação o risco de acontecer de deixar de ser prazer é maior. Nunca podemos deixar de ter fé que aquilo pode dar certo. Você chegou em um patamar. Agora é lutar para subir. Não te conheço, mas não acho que você seja do tipo que abre mão de uma coisa porque ela ficou difícil. Você joga vidjaguelmes, e isso ensina muito a gente!Ensina que, mesmo que a gente caia, sempre tem uma vida nova esperando!

    Você é co-autor de um trabalho interessantíssimo que é o “Quadrinhos Rasos”. Nem vou falar do “Bufas” que é algo corajoso nesta área. Conseguir fazer ironia com peidos é uma arte que poucos dominam. O “Rasos” é muito corajoso também.

    Sua arte não é Mainstream, mas ela é importante, e isso é mais do que qualquer coisa, meu amigo. Planos que passam pelo “quase” são frustrantes, mas a gente não pode desistir por “quase” ter conseguido. Posso apostar que você é melhor do que isso.

    Espero que você não desista e espero ter um autógrafo seu no meu bufas e no meu “Quadrinhos Rasos” quando você vier a João Pessoa. Acredite em você e peide muito por aí! Não só no Bufas, mas em tudo.

    2013 será um ano melhor para todos nós! (O meu 2012 também foi um ano atípico, mas tudo bem!)

    Um abraço!

    Reply
    • gomba

       /  12/31/2012

      Opa! Valeu demais!!! É sempre bom ver isso vindo de quem lê o que você faz!!

      Mas não, a gente reclama mas não desiste! :)

      Reply
  2. Daniel

     /  12/31/2012

    “trabalhe com o que você ama mas cuidado para não passar a odiar o que você ama porque aquilo virou um trabalho.”

    se tivessem me falado isso antes, eu ia evitar muita coisa paia.

    Reply
  3. só não pare com as bufas

    Reply
  4. Nando Rock

     /  12/31/2012

    O Bufas me traz/tras/trás/thraz/têras as lembranças da boa época do MAD e Chiclete com Banana

    Reply
  5. Di

     /  12/31/2012

    Gosto do Bufas. =]

    Reply
  6. Artuco

     /  01/01/2013

    Frago demais esse edquema de trabalho x amor. E tenso mesmo. Mas manda ver as vezes tem que rolar treta pra depois ficar bem bala! Muitas bufas em 2013!!!!

    Reply
  7. MMs

     /  01/03/2013

    mas conta mais, pq vc não gostou de korra e de brave ?

    Reply
    • gomba

       /  01/03/2013

      Korra tinha tudo para ser bom. E de fato, vinha sendo. Eles tinham criado um vilão perfeito. O camarada tinha um ideal interessante, um “poder” interessante e um mistério envolvente. A única coisa que mantinha ele como vilão, na verdade, era o fato de que algumas das ações que ele tomava eram meio vilanescas. Mas em geral ele tinha um propósito completamente identificável. Aí, em dois episódios eles conseguiram transformar esse personagem genial – que era a força motriz da história – em um vilãozinho qualquer, desinteressante, mau, e que usa maquiagem para enganar os outros. Virou uma história de “olha como eu tava certa em falar que ele era mau o tempo todo”, e automaticamente retirou todo o valor da discussão do abuso dos dobradores. Fora o roteiro cagado, os furos e etcs.

      Já Brave eu achei todo ruim. O filme era para ser uma história interessante sobre uma personagem rebelde em um mundo de homens. Uma personagem que colocaria seu valor de independência acima das tradições e das relações familiares. Era pra tratar de coisas difíceis, sobre ir contra pessoas que você ama, responsabilidade vs vontade, etc. Só que virou “Opa! Meu Amigo Urso 2: Agora com a Mamãe!”. As músicas soltas e sem razão de ser; o arco e flecha que a mãe joga no fogo, e que era para ser uma metáfora/algo importante mas na cena seguinte ela já está com um novo ao fugir do castelo; a montagem bizarra sobre como ser selvagem é bom, sendo que o filme tenta justamente passar outro ideal mais pra frente; o momento Shrek com “piadas de coisas atuais anacrônicas” dentro da casa da Bruxa; a cena obrigatória de filme americano de “somos estados independentes que unidos venceremos a ameaça estrangeira” que só não faz sentido de existir; a razão nenhuma da mãe urso resolver voltar junto com a filha pro castelo; o fato de que a grande resolução e crescimento emocional dos personagens é feita num discurso expositivo… Não, não dá. É um filme muito ruim. Bonito até, porém.

      Reply
      • Matheus C.

         /  01/04/2013

        porra,agora tu falou notei os erros do filme,tinha gostado dele. E mesmo com os erros vale a pena assistir Korra?

        Reply
        • gomba

           /  01/04/2013

          Vale a pena assistir tudo, bicho.

          Primeiro, porque quem tem que decidir se é ruim ou não, é você. Segundo, porque ver coisas ruins, ou falhar, é importante também. Dá pra se gostar de um tanto de coisa ruim, assim como não gostar de um tanto de coisa boa.

          Eu por exemplo adoro aquela música da Katy Perry “E.T.” Adoro. Mas eu sei que ela é bem ruizinha.

          Reply
  8. Diogo

     /  01/04/2013

    Vão tomar uma cerveja, gomba.

    Reply

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

  • Categorias
  • Bons sítios da internet: